Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O melhor Pai do Mundo

Ser Pai é uma experiência que merece ser partilhada. Este espaço é dedicado a todos os Pais que receberam dos seus filhos o título de "O melhor Pai do Mundo".

22.Jul.17

Pai, não preciso de ajuda

pai-nao-preciso-de-ajuda.png

Quando é que nos apercebemos que as nossas crianças estão a crescer? Pelo seu tamanho? Sim. Pela forma como falam? Também.

 

O aspeto que mais me impressiona é a autonomia. Para quem olha para os seus filhos como eternos bebés, ser-lhe-á muito difícil tomar consciência que, de facto, as crianças crescem. “Pai, deixa estar que eu faço” ou um “Pai, eu vou sozinho à casa de banho e não preciso de ajuda”, são apenas dois exemplos do que estou a falar.

 
Ver o meu filho a comer de faca e garfo, a cortar o peixe ou a carne de forma exemplar, deixa-me bastante espantado. E a tomar banho? Fantástica a forma como eles aprendem tão rápido.
 
Para isto contribuiu e muito a vivência na escola. No refeitório, a ajuda das auxiliares já é escassa e cada criança tem de se safar. E como é que aprendem? Com os melhores professores, nada mais nada menos que os próprios colegas. Uns ajudam os outros e não têm problemas em pedir ao amigo do lado.
 
A questão do banho foi praticamente igual. Em casa, ainda não o tínhamos deixado tomar banho sozinho. Ajudávamos em quase tudo. Agora, depois dos treinos de futebol, os miúdos têm de tomar banho sozinhos.  Ficamos um pouco apreensivos quando soubemos que iria ter de fazer tudo sozinho, mas era o melhor pretexto para começar.
 
Fiquei muito curioso em perceber como tinha sido o primeiro banho. “Pai, correu bem!” disse-me. Eu tinha mil e uma perguntas. Comecei com o gel de banho e o champô, “Pai, não sabia bem o que era para quê, mas pelo cheirinho descobri!”. Uau! “Lavo dos pés à cabeça e um amigo ensinou-me a ensaboar as mãos antes de esfregar a barriga”. Boa! “Depois, sou rápido com a toalha a limpar-me e arrumo tudo no saco, sou dos primeiros a sair.”
 

Imaginem a minha cara de espanto perante tal descrição. Em casa já nem sequer quer ajuda para nada.

 
E agora que deixei de ter uma das minhas funções como Pai, como vai ser a minha vida? Estou a brincar, adoro esta fase!
 
O Pai