Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O melhor Pai do Mundo

Ser Pai é uma experiência que merece ser partilhada. Este espaço é dedicado a todos os Pais que receberam dos seus filhos o título de "O melhor Pai do Mundo".

13.Jan.17

Pai, que música estás a ouvir? #3

pai-que-musica-estas-a-ouvir-running-to-stand-stil

 

Na semana em que os "meus" U2 anunciaram a tour que assinala os 30 anos do álbum The Joshua Tree, repesquei as minhas memórias e recordei-me do episódio em que um amigo de faculdade chamado Gonçalo (que perdi o contacto há anos) me emprestou uns CD's de uma banda irlandesa que eu quase não conhecia. Estávamos em 1996 e eu andava à procura de um caminho, do que queria mesmo fazer no futuro. Estava a estudar num curso que não era o que eu queria, num ambiente que não me agradava, mas acompanhado por 3 ou 4 amigos que ficaram marcados na minha memória porque partilhávamos a mesma angústia: "O que é que eu quero fazer do meu futuro"...

Levei os álbuns para casa e comecei pelo The Joshua Tree, um álbum com quase 10 anos na altura. Isolei-me no meu quarto, coloquei os auscultadores e pus o volume bem alto. Claro que já tinha ouvido uma ou outra música dos U2, mas nunca com este sentimento. Parece que tentava encontrar ali uma resposta.

Começar com "Where the Streets have no name" é começar em grande. É para mim a melhor música que já ouvi num concerto ao vivo. Daquelas que nos põe aos saltos, cheios de adrenalina e o corpo todo a fervilhar de arrepios. Depois recordo-me de parar na "With or Without You" e de descobrir a faixa 5 uma música chamada "Running to Stand Still".

A música não é das mais marcantes, mas por alguma razão a letra tocou-me. Correr para ficar parado, em tradução literal, era o que eu não queria na altura. Eu queria descobrir o caminho para, aí sim, correr, ir em frente, seguir os meus sonhos....

"You got to cry without weeping, Talk without speaking, Scream without raising your voice"

Acabei por ler muito depois que provavelmente a letra aborda uma fase de dependência de drogas e que traduz uma espécie de estado de inconsciência provocada pela necessidade criada pelo consumo. De facto, não sendo este, felizmente, o contexto da minha vida, eu também queria sair de um caminho e encontrar outro. A passagem que nunca mais me esqueci e ainda hoje me serve de karma é "You got to cry without weeping, Talk without speaking, Scream without raising your voice". Isto é cerrar os dentes e acreditar que somos capazes. Que muitas vezes a luta é silenciosa, que se passa dentro de nós e que tudo à volta é cenário.

Gosto especialmente da versão gravada ao vivo em Sydney em 1993, salvo erro. Esta versão junta a "Running to Stand Still" e a "Where the Streets have no Name". Este alinhamento, propositado ou não, é curioso, ambas as músicas falam num caminho.


Uma das coisas fantásticas que a música nos dá é possibilidade de nos inspirarmos na letra, no ritmo, na intensidade que nos transmite e até encontrar algumas respostas.No meu caso, eu encontrei o caminho certo. Não fiquei parado, corri por muitas ruas sem nome, gritei sem que ninguém ouvisse...e consegui! Corri, mas não fiquei parado.

O Pai